Seja Bem vindo!
Evento

Governo Municipal distribui cerca de 1,2 mil cestas básicas por mês, em Santo Ângelo

20 de maio de 2020
Curta e Compatilhe

São três tipos de complementos alimentares entregues a pessoas carentes. Com a pandemia, volume aumentou significativamente. Além das cestas, Cozinha Comunitária serve 120 refeições por dia

A entrega das chamadas cestas básicas é um benefício para as pessoas em vulnerabilidade social que faz parte da rotina de trabalho da Secretaria Municipal de Assistência Social, Trabalho e Cidadania de Santo Ângelo. Entretanto, diante do quadro de pandemia da Covid-19, fez-se necessária a ampliação da iniciativa com o objetivo de amparar cidadãos que tiveram que interromper o trabalho, especialmente autônomos e informais que passam por dificuldades para fornecer a alimentação para as suas famílias.

O número de donativos quase dobrou e já alcança mais de 1,2 mil cestas por mês. Somente na última semana foram 380 pessoas beneficiadas.

Além do Banco de Alimentos mantido pela Secretaria, também estão sendo recebidas doações feitas por empresas, por organizações da sociedade civil, aliado aos repasses alcançados pela Central do Bem. A primeira-dama Juliana Barbosa destaca que a Central do Bem recebe muitas doações de alimentos e está repassando para a Secretaria de Assistência Social como forma de centralizar e organizar a distribuição, atingindo a parcela da população que atingida pela pandemia e depende do aporte de alimentos.

COMPLEMENTOS

O secretário municipal de Assistência Social, Carlos Gromoski, comenta que são três tipos de kits com complementos alimentares fornecidos para a população. Eles variam de acordo com o número de pessoas na família. “Esse é um aporte nutricional, um complemento alimentar que atende as necessidades de cada família. Por exemplo, se a família tem criança menor de três anos, também recebe o leite em pó”, explica. Ele acrescenta que a exceção ocorre com as cestas que estão sendo doadas por empresas dentro do combate à pandemia. “Nesse caso, são selecionadas famílias que se enquadram na necessidade e as doações são repassadas integralmente”.

Os beneficiados são cadastrados nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) dos bairros Sepé e Centro Social Urbano do Bairro Pippi. Os cadastrados passam por análise de assistente social e retiram mensalmente os alimentos de acordo com suas necessidades.

Gromoski salienta que com a pandemia, o benefício passou a ser estendido para mais pessoas que estão temporariamente sem renda.

ENTREGA

A entrega dos alimentos é organizada pelas equipes de aporte do Bolsa Família e do Banco de Alimentos. Cleusa Melo e Ana Oliveira organizam a distribuição. As pessoas são dispostas numa fila com o distanciamento orientado e todas usando máscaras. Também são realizados os procedimentos de higienização recomendados e foram instalados banheiros químicos para uso das pessoas que estão na fila. Um funcionário organiza a fila e orienta sobre as medidas de higienização e proteção. O distanciamento está marcado no solo.

A pessoa apresenta o documento e o comprovante para a retirada dos alimentos. Ao receber a cesta, o beneficiado já recebe o comprovante com a confirmação da data da próxima retirada. “Importante respeitar o agendamento, evitando acúmulo de pessoas e colaborando com a organização”, diz Cleusa.

Carlos Gromoski ressalta que as entregas são feitas nas segundas, quartas e sextas, porém, pessoas que por um motivo ou outro perderam o horário ou data são atendidas nas terças e quintas.

O secretário afirma que o cadastro dos beneficiados é feito nos CRAS e os registros encaminhados para a Assistência Social para a entrega conforme a data agendada.

INDÍGENAS

Também estão sendo beneficiados com a distribuição de alimentos os moradores das duas aldeias guarani de Santo Ângelo. De acordo com o secretário Gromoski, são 14 famílias da aldeia localizada no Distrito Buriti e outras cinco da Linha Paraíso que estão sendo auxiliadas.

PADARIA E COZINHA COMUNITÁRIA

Outros dois serviços que seguem sendo realizados pela Secretaria Municipal de Assistência Social são a padaria e a cozinha comunitária.

A padaria continua produzindo para abastecer os CRAS e a cozinha comunitária. Também são distribuídos pães para os lares da velhice e entidades assistenciais que retiram os donativos na própria Secretaria.

A Cozinha Comunitária que funciona junto ao CRAS do Bairro Sepé não interrompeu seu trabalho. Mais que isso, aumentou o fornecimento de refeições. A mudança ocorreu no sistema de fornecimento. Devido a pandemia, as pessoas cadastradas estão retirando marmitex e não mais fazendo duas refeições no local. “Um sistema higiênico, seguindo todas as orientações dos órgãos de saúde, sem aglomeração e com um alto alcance social”, acentua Gromoski.

Na Cozinha Comunitária também foi registrado um aumento no fornecimento de refeições. De 90 passou para 120 refeições diárias.

SEGURANÇA ALIMENTAR

O prefeito Jacques Barbosa destaca que a segurança alimentar das famílias em vulnerabilidade social e de baixa renda sempre foram ação prioritária do Governo Municipal. Com a pandemia, as ações foram ampliadas.

“Na Secretaria de Assistência Social e na Central do Bem sempre agimos para auxiliar aquelas pessoas que mais necessitam. Devido à pandemia, aumentamos as nossas ações e organizamos de maneira a beneficiar com alimentos por meio da Secretaria e a distribuição gratuita de máscaras pela Central, que segue com seus outros programas de alcance de roupas, calçados, e outros artigos para as famílias cadastradas”, lembra o prefeito.

DEPOIMENTOS

Silvia Dunke da Cruz retirou alimentos na Secretaria da Assistência Social na manhã de quarta-feira, 20. Ela é beneficiada pelo programa do Banco de Alimentos e registra a importância do auxílio, principalmente nesse momento em que muitas pessoas estão sendo condições de garantir renda para a subsistência da família.

Noé Silveira de Oliveira, 73 anos, também foi receber os alimentos. Ele é separado e mora com um filho. “Essa ajuda é muito importante. Meu filho está realizando um serviço de abertura de canaletas. Está tudo muito difícil e esses alimentos fazem a diferença”, conta.

Outra beneficiada é Rosane Cardoso da Silva. Ela é cadastrada e retira alimentos na Secretaria a um bom tempo. “Essa ajuda é sempre fundamental para a gente que realmente precisa”.

Texto: Hogue Dorneles
Fotos: Fernando Gomes

Deixe uma resposta